Sudeco e FBB vislumbram parceria boa a partir de 2020

Sudeco e FBB vislumbram parceria boa a partir de 2020

A Fundação mostrou como pode contribuir com a transformação social dos brasileiros
Por Assessoria de Comunicação

Publicação: Seg, 09 Dez 2019 17:29:00 -0300

Última modificação: Qua, 11 Dez 2019 10:13:41 -0300

 

Com essa fala da Fundação Banco do Brasil (FBB) sobre a transformação social dos brasileiros, iniciou-se a reunião na quinta-feira (5) na sede da Fundação. A Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) foi até o local para conhecer melhor a instituição que, há quase 34 anos, vem contribuindo com o desenvolvimento sustentável do país. O superintendente, Nelson Viera Fraga Filho, também falou um pouco sobre a metodologia de trabalho que está trazendo para a Sudeco, que se assemelha ao modo de fazer da Fundação. “Temos volume para investir e, se a FBB achar conveniente multiplicar, já temos, em nosso Banco de Projetos, vários interessantes”, disse Nelson. A FBB declarou que uma das coisas mais levadas a sério pela Fundação é a governança.

  Da esq. para a dir.:, Rogério Bressan, diretor executivo FBB, Emmanoel Schmidt Rondon, gerente executivo da diretoria de Governo do BB, Nelson Fraga, o superintendente, Asclepius Soares, presidente da Fundação e Rogério Bressan, Roberto Luiz Benkenstein também diretor executivo FBB.

 Da esq. para a dir.:, Rogério Bressan, diretor executivo FBB, Emmanoel Schmidt Rondon, gerente executivo da diretoria de Governo do BB, Nelson Fraga, o superintendente, Asclepius Soares, presidente da Fundação e Roberto Luiz Benkenstein também diretor executivo FBB. 

 

“Trabalhamos em dois eixos, o da educação, propriamente dita, mas que perpassa por todos os projetos da Fundação e ainda tem caráter profissionalizante, e o meio ambiente, com foco nas pessoas e na agroecologia, gerando renda. A preservação é inerente por aqui, e por isso também apoiamos projetos de extrativismo, sustentabilidade da água, saneamento, tudo com tecnologia social”, afirmou o presidente da Fundação, Asclepius Ramatiz Lopes Soares. Todos os projetos são desenvolvidos em interação com as comunidades locais, em busca de efetivas soluções para os problemas sociais.

Valorizando métodos, conhecimentos e soluções

Essa é a vocação da plataforma “Transforma! Rede de Tecnologias Sociais”. Uma plataforma pública que funciona como um banco de tecnologias sociais que já conta com seiscentas tecnologias cadastradas. A FBB, além de disponibilizar, também certifica e reconhece as linhas de atuação em que os projetos são desenvolvidos e a cada dois anos premia os melhores.

“Tecnologias sociais são produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representam efetivas soluções de transformação social”

Plataforma Transforma!

O diretor executivo da FBB, Rogério Bressan Biruel, para além da plataforma, trouxe os números gerais da Fundação, que tem no Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) um de seus principais parceiros. “Estamos trabalhando juntos no Fundo Social e no Fundo Amazônia, onde já realizamos investimento social da ordem de R$ 300 milhões.

Também apoia projetos para comunidades afetadas pela tragédia de Mariana (MG), por meio da Ação Rio Doce, e projetos de inclusão socioprodutiva, em que agências, por todo o Brasil, identificam os projetos de acordo com a linha temática definida pelo Banco e privilegiam municípios com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) menor.

Outras parcerias

Instituto Ayrton Senna, Copasa, Instituto Votorantim, Fiat Chrysler, Universidade de Brasília (UnB). É para esse time, com cerca de vinte parceiros institucionais, que a Sudeco quer entrar em 2020. Essas instituições atuam em programas como o AABB Comunidade, que leva crianças de 6 a 18 anos incompletos para reforço escolar em português e matemática, atividades esportivas e culturais. Atende, com o Instituto Ayrton Senna, a 33 municípios da rede pública de educação. Na educação há também o Vozes Daqui, em conjunto com a Fiat Chrysler, que oferece maior integração no ambiente escolar para alunos, pais e professores em Pernambuco.

Atuam ainda com o esporte e em 2020 iniciarão um projeto piloto, o Forças no Esporte, com ações em Brasília, Piracicaba e Mossoró. Nelson Fraga sugeriu a associação desse projeto ao Projeto Rondon, que está previsto para ser realizado em Brasília no próximo ano. Sudeco e ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) já são parceiros.

Com a incorporação do ministério das Cidades, pelo (MDR), o saneamento básico dos municípios do Centro-Oeste está no radar da Superintendência. A FBB já atua com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), com instalação de fossas sépticas e cisternas de placas, com educação ambiental e barraginhas. Ainda realiza ações em Brumadinho (MG). Enfim, são bem vindas todas as tecnologias sociais que tratem de políticas para a educação, para os refugiados, para o meio ambiente, para a inclusão socioprodutiva, para a agroecologia, para o voluntariado, para cisternas em escolas e para as barraginhas.

“Há projetos em que podemos ajudá-los a captar recursos e apoio institucional junto com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), como o projeto do Biodigestor (veja mais sobre o assunto) para os municípios. Chegam até nós, também, projetos de bibliotecas públicas com capacitação para professores e alunos, em que não podemos aplicar os recursos na integralidade. Também podemos atuar parcialmente em projetos para áreas degradadas, em projetos de viveiros. Temos ainda o setor do turismo que nós, na Sudeco, acreditamos que deva ser potencializado. A expertise da FBB será muito boa para todos esses projetos”, explicou Nelson Fraga.